Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Finalmente licenciado



Ultimamente eu tenho escrito pouco no blog: trabalho, TCC, formatura, bloqueio de sites da internet, tudo isso criava condições para que minha vida blogueira se amaina-se. De todos esstes motivos, o TCC era um dos mais fortes, porque eu me sentia culpado escrevendo para o blog enquanto minha monografia ficava meio que de lado. (claro, chatice da SESAB bloquera os acessos aos blogs "blogspot.com" também ajudou em muito, levando a migrar para o Twitter, o Facebook e outras redes sociais).
Só que agora, veio a formatura. Ufa! Sem a preocupação da monografia e a correria da organização da formatura, devo ficar os próximos dias mais livres para o blogue, que eu devo atualizar via e-mail.
Em todo caso, fica aqui os ícones da minha fase: pessoal com nível superior completo

terça-feira, 11 de maio de 2010

Relatos do Reino de Jambom - distancia

O castelo do bardo está silencioso, quase vazio. O escritor R Vidal está em viajando a trabalho e por que cada vez menos fica no Castelo. Paralelo a isso, uma nova musa leva nosso anfitrião a repousar pouco nos seus próprios domínios (não que ele reclame...). E é nestas horas de ócio decorrente que ele se lembra da ficção da vida civil, em que a correria do trabalho e a impossibilidade de acessar o blog faz que o mesmo tenha poucas atualizações...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Finisterra

Finisterra

Salvador; 28 de abril de 2010.

Já não mais escrevo nada!

E o mundo é como uma gaiola de vidro translúcido

Cujo ruidoso silêncio opaco

Separam a mim de minha felicidade.

Gaivotas brancas surgem sobre o pergaminho vazio,

Lembrando-me dos meus poemas natimortos,

Que jazem esquecidos na memória.

O Sol brilha sorridente sobre o asfalto,

Mas quem entoará um réquiem

Pelos meus poemas natimortos?

Só uma aquarela de lágrimas azedas

Iluminará os zumbis ao meu redor,

Enquanto prossigo sem escrever mais nada…


Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)