Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

segunda-feira, 23 de março de 2009

Abaixo-Assinado (#3958): PELA APROVACAO URGENTE DA PEC 150

Caros leitores e leitoras do BLOG

Recebi por e-mail um informe, sobre um abaixo-assinado pedido a aprovação urgente da PEC 150, que fixa um percentual mínimo do Orçamento do estado brasileiro para ser investido em cultura. o link de acesso é: http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/3958.

Como Humanista e Escritor, este é um tipo de projeto que não posso me furta de apoiá-lo. Considerando o fato de que, através do meu blog, eu exerço os meus direitos inalienáveis de expressão cultural, de pensamento e de informação; além das responsabilidades (principalmente sociais) que estes direitos implicam, conclamo a todos vocês, caros leitores a co-assinarem este documento. O texto dele eu o coloco abaixo, para que você conhecer bem o que está se propondo.

Agradeço desde já a sua participação desta cruzada cidadã, cívica e cultural.

Ricardo Vidal

Está na hora de unir esforços pela sensibilização dos nossos representantes em Brasília para a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional - PEC 150/03, que determina a vinculação de 2% dos recursos do Orçamento da União, 1,5% dos estados e 1% dos municípios à preservação do patrimônio cultural brasileiro e à produção e difusão da cultura nacional. União terá ainda que dividir 50% de sua cota da Cultura com as outras unidades da Federação - 25% com os estados e 25% com os municípios.

Como forma de valorização do patrimônio cultural e desenvolvimento da produção e da economia da cultura em nosso país essa vinculação, que já ocorre em outras áreas como saúde e educação, precisa ser adotada imediatamente no Brasil.

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº DE 2003

(Do Srs. PAULO ROCHA , GILMAR MACHADO, ZEZEU RIBEIRO,FÁTIMA BEZERRA e outros)

Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal, para destinação de recursos à cultura

As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do § 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Art. 1º É acrescentado o art. 216-A à Constituição Federal, com a seguinte redação:

"Art. 216-ª A União aplicará anualmente nunca menos de dois por cento, os Estados e o Distrito Federal, um e meiopor cento, e os Municípios, um por cento, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente detransferências, na preservação do patrimônio cultural brasileiro e na produção e difusão da cultura nacional.

§ 1º - Dos recursos a que se refere o Caput, a União destinará vinte e cinco por cento aos Estados e ao Distrito Federal, e vinte e cinco por cento aos Municípios.

§ 2º - Os critérios de rateio dos recursos destinados aos Estados, ao Distrito Federal, e aos Municípios serão definidos em lei complementar, observada a contrapartida de cada Ente.

Art. 2º Esta Emenda entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICAÇÃO

A exemplo do que já ocorre nas áreas de educação e saúde, a valorização da cultura nacional depende de um decisivo e continuado apoio governamental . Esta é também a regra no resto do mundo, ou, pelo menos, nos países em que a cultura é considerada como um valor a ser preservado e promovido No nosso caso, em particular, o financiamento do Estado tem outra importante função, qual seja a se equalizar o acesso e democratizar os benefícios dos produtos culturais, disseminando-os entre os segmentos excluídos da sociedade. Estas manifestações não podem ser inteiramente privatizadas, e as pessoas de baixa renda ou da periferia não podem ser simplesmente excluídas. Nem se pode admitir que a cultura seja apenas um acessório. A cultura tem que ser entendida como espaço de realização da cidadania, da superação da exclusão social e como fato econômico, capaz de atrair divisas para o país e, internamente, gerar emprego e renda. Assim compreendida, a cultura se impõe, desde logo, no âmbito dos deveres estatais. É um espaço onde o Estado deve intervir. Mas não segundo a velha cartilha estatizante, mas como um formulador de políticas públicas e estimulador da produção cultural A opção para o atendimento a esta necessidade reside na vinculação de receitas - apenas tributárias, apenas de impostos - aplicando parte delas e transferindo outra para os demais Entes, possibilitando, inclusive, a adoção de programas nacionais, sob a forma de participação conjunta. Por estas razões, espero o amplo e decidido apoio de meus Pares.

Deputado Paulo Rocha (PT/PA), Deputado Gilmar Machado (PT/MG), Deputado Zezeu Ribeiro (PT/BA), Deputada Fátima Bezerra (PT/RN)

LINK http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/3958

domingo, 22 de março de 2009

Fragmentos de um diario - o choro de Nietzsche


Hoje, noite de sábado para domigo, fiquei sozinho em casa. Meus pais foram um encontro de motos em Alagoinhas e meu irmão caçula caiu na farra e até agora não voltou. Fiquei só, com o apartamento todo para mim. Meu reino, meu castelo, meu domínio. 

Quem apostou que eu fiquei o tempo todo na frente do computador se enganou. Liguei a máquina e deixei-a baixando algumas músicas pelo e-mule. Não haveria ninguém para me perguntar irritantemente "Quem deixou o computador ligado sozinho, desperdiçando energia?". Deixei a máquina e fui ler. Abri um anuário para reciclar meus conhecimentos... Mas tarde, fui para o quarto dos meus pais, liguei a TV a cabo e qual foi minha surpresa que vi na tela "Quando Nietzsche chorou". Caramba! Adorei o filme! Ainda estou em estado de êxtase, ao ver neste encontro fictício de Nietzsche e Dr. Breuer o nascimento da psicanálise, citações do "Assim Falou Zaratustra"(como a do chicote, para tratar as mulheres), trechos de músicas clássica, reconhecer certos personagens como Lou Andreas von Salomé ou o ator Bem Cross (que fez o papel de Abraham em "Carruagens de Fogo"). Faz tempo que eu não assistia na TV um filme que me surpreendesse tanto e me deixasse pensando depois e excitasse minha mente.

Bem, falo deste excitamento porque uma outra coisa me veio a mente: quanta vezes eu fico alienado sobre lançamento de filmes e livros. Claro que eu sabia do livro - que vi vendendo nas livrarias e estava nas listas dos mais vendidos - e de que foi lançado em filme. Também dou o desconto de que este filme, ao que parece, só saiu em vídeo. Mesmo assim, eu me espanto quando vejo que várias obras artísticas boas passam desapercebidas pelo meu nariz! Claro que ha aí um ponto a se considerar: o ambiente onde vivo atualmente não seria o mais fecundo a novidades intelectuais. O que esperar de uma rotina em que um pai vem empre com a mesma conversa de carros , uma mãe que só comenta sobre BBB ou os programas de fofocas da TV e um irmão que passa quase que a semana toda calado? O que esperar de uma casa não há assinatura de jornal e/ou revista impressa, em que e possa ler as resenhas dos cadernos culturais? Incrível como eu perco muitos debates ou só dou conta de um livro ou um filme muito tempo depois de lançado! E ainda assim, para algumas pessoas eu pareço antenado, o que me permite ser um imã de Trimalciões - há sempre um conhecido que, tentando se passar por intelectualizado, vem sempre para perto de mim e fala asneiras como o porquê de "O Código da Vinci" ou "Operação Cavalo de Tróia" serem fatos reais corajosamente reveleados pelos autores - ou que tal livro de auto-ajuda é uma pérola de sabedoria e iluminação, superior a todos os escritors de Freud, Marx,Goëthe e Nietzsche...

Mudemos de assunto... Quantas vezes a Natureza é permitido criar um novo Nietzsche, um novo Van Gogh ou um novo Fernando Pessoa por geração? Quantas vezes os grandes gênios são aqueles que passam desapercebidos e que estão lutando pelo seu lugar ao Sol? Sempre me pego pensando nisso. Um poucopor vaidade, talvez, mas fico imaginando: será que algum conhecido meu está fadado a isso, a ser um gênio incompreendido que nasceu póstumo? Será que não tive nenhum professor na adolescência ou colega de universidade que no futuro será lembrando como um pensador revolucionário , um cientista visionário, um artista fundandor de tendências? Ou falando dos outros eu queria falar de mim?

Mas esqueçamos disto. O importante é sentir meu espírito livre, descobrir que muitos fatos da vida são humanos, demasiadamente humanos, e estão a espera de uma aurora, além do bem e do mal, que traga a gaia ciência do andarilho e sua sombra que irá explicar o nascimento da tragédia no espírito da música. Deste modo, ao presenciaria o crepúsculos dos ídolos. Assim falou Zarastutra.

Bem, fica o convite para reler as obras do Nietzsche. Numa época em que vive-se o ocaso das mulheres-frutas ou se aguarda a próxima celebridade ou factóide que alimente os jornais, livros como "o Anticristo", "Ecce homo" e "Assim falou Zaratutra" são um refúgio para espíritos realmente livres...

*************************
Um P.S. importante: terminar minha resenha sobre o livro de Renata Belmonte... O tempo urge!

sábado, 21 de março de 2009

Noticias do Reino de Jambom - Srta B

Renata Belmonte e Állex Leila, 17 de março de 2009
Noite de autógrafos e lançamento dos livros
"Vestígios da Senhorita B" e "O Sol que achuva apagou"

Terça-feira passada foi festa no reino de Jambom: Senhorita B chegou de viagem. Numa visita rápida, mostrou os vestígios por onde passou. Um vestido. Uma cama. Um livro... R Vidal ficou feliz em ver sua e-amiga... De seu Castelo, lançou fogos saudando sua amiga.


Já na ficção da vida civil, a noite de autógrafos na livraria "Tom do Saber" foi ótima!!! Além do lugar ser super-agradável (indicação para o "Café Bombom"), foi bem rever Renata Belmonte. O livro dela, "Vestígios da Senhorita B" é envolvente na sua escrita. Minha e-amiga, obrigado pela lembrança no final do livro e sucesso!!!


01) INDICAÇÃO DO BARDO: Leia o livro, assitam ao curta e acompanheem o blog "Vestígios da Senhorita B". Multimídia da mais alta qualidade.

02) INDICAÇÃO DO BARDO: Leia o livro "O Sol que a chuva apagou", de Állex Leila.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Rio Una em Soneto

Rio Una em Soneto[1]

Valença; 13 de março de 2009

Rio Una de negros sonhos
Que se esvai pelo infinito,
Procuro em teu espelho
Um poema azul já perdido.

Rio Una guardião e barco ébrio
Que pela tua luz esquecida
Guarda as lágrimas do passado
De uma cidade, da razão, perseguida.

Rio Una amigo, pai e fundador,
Rio Una de portos, amores e adeuses,
Rio Una de lares, fogos e saudades.

Rio Una meu futuro sorridente,
Rio Una sátiro lírico e surreal,
Sensual como um soneto fremente

*******************************
[1] Poema escrito como resultado da Oficina de Introdução a Poética e Métrica, ministrada por Geraldo Maia. Centro de Cultura de Valença, tarde de sexta-feira 13 de março de 2009, 03ª Edição da Ocupação Cultural.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Que venha as flores - Ricardo Vidal e Adriano Pereira

Que venham as flores

Ricardo Vidal e Adriano Pereira

Felizmente, muito se tem falado sobre a “Ocupação Cultural”, iniciativa que surgiu e se mantêm simplesmente pela vontade de se fazer algo por Valença e pela nossa Cultura.
Cansamos de reclamar da falta de opções sem fazer nada. Deixamos a comodidade dos braços cruzados para assumir os riscos de se realizar o projeto – que felizmente está frutificando rápido. Usando uma linguagem “contemporânea”, resolvemos ser “pro-ativos”. Se for pra reclamar, que outros reclamem do que fazemos. Mas, não ficaremos lamentando, sem fazer nada!
A OCUPAÇÃO CULTURAL surgiu como uma provocação. Ocupar espaços. Ocupar o tempo. Preencher vazios… Quais vazios? Vazio de Gente. Vazio de Beleza. Vazio de Sensações. Vazio de Cultura. Ocupar a mente com o belo. Ocupar a vida com a arte. Ocupar os espaços públicos com o povo. Ocupar sem culpas aquele lugar que é nosso de direito.
O que pretende então a ocupação? Todas as artes sem censura. Todas as falas e sons sem medo. Todas as visões sem dogmas. Todos os movimentos sem divisões. Todas as imagens sem vergonha. Pretende que arte seja parte do cotidiano de nossa Valença.
No momento falta-nos tempo e espaço para analisar e descrever a grandeza que tem sido cada ocupação. Daremos apenas uma descrição sumária para quem ainda não participou entenda o funcionamento e se sinta convidado a comparecer.
A “Ocupação Cultural” acontece quinzenalmente as sextas, no Centro de Cultura, a partir das 18 horas. O espaço é aberto gratuitamente para declamação de poesias, performances, números de dança, música, exibição de curtas-metragens ou qualquer atividades artística. Todos os artistas estão convidados para expor seu trabalho durante a Ocupação Cultural.
Convidamos também a população valenciana que venha prestigiar as apresentações dos nossos artistas. Chame seus amigos, colegas, namorada, família… Abandone o poluído ambiente (infestado pelo som dos carros, música de qualidade duvidosa e feiúra) e venha deliciar-se, divertir-se, curtir uma conversa agradável, beber e degustar (em ambos os sentidos – uma vez que a cantina do Centro também estará aberta, servindo petiscos). O ambiente é para todas as idades.
Nesta sexta-feira, 13 de março, serão homenageados especialmente os baianos Castro Alves e Glauber Rocha. E contaremos com a presença do poeta soteropolitano Geraldo Maia.
Como falamos acima, outro dia analisaremos o que aconteu. Limitamo-nos a confirmar que todos que comparecem à OCUPAÇÃO CULTURAL, têm saído renovados e rejuvenescidos, querendo mais e dispostos à retornar.
Agradecemos o apoio recebido e reforçamos o convite para que todos venham conferir!
E “pra não dizer que não falei das flores”, parodiando Vandré: “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”!

sexta-feira, 6 de março de 2009

LANCAMENTOS: Cartas Bahianas 17-marco2009






Para quem gosta de boa literatura e queria se interar do que tem bom sendo produzido pelos baianos de hoje, dia 17 de março é a data. Entre as 19h e 22h, na livraria Tom do Saber, serão lançados os livros "Vestígios da Senhorita B." (Renata Belmonte) e "O sol que a chuva apagou" (Állex Leilla), como parte da série "Cartas Bahianas".

Renata Belmonte é baiana de Salvador, escritora formada em Direito. É autora dos livros de contos "Femininamente" e "O que não há de ser". Edita o blog "Vestígio da Senhorita B" - parte do projeto que também inclue o livro e vídeo homônimos. Állex Leilla é baiana de Bom Jesus da Lapa, escritora com Mestrado em Letras. É autora do livros "Obscuros", "Urbanos" (contos) e "Henique" (Romance). Edit o "blog de Allex Leila". Ambas participaram da antologia "Outras Moradas".

Imperdível! Tanto os blogs como as autoras!

terça-feira, 3 de março de 2009

Efeito Ocupacao Cultural - popularidade


Desculpe-me o narcisismo e a vaidade, porém um fato como esse não pode passar em branco: Vendo como estava oa cesso ao meu blog, descobrir que muitas pessoas o procuraram em vista a um poema específico, "Farol do Desejo (Aquele Beijo)". O detalhe é que foi este o poema que declamei (melhor dizendo, li) na segunda edição do sarau e festa artísitica-lítero-cênica-pictórico-sonora "Ocupação Cultural", ocorrido no dia 27 de fevereiro passado.

Bem, se alguém duvida que as "Ocupações Culturais" possuem algum retorno, eis aqui uma prova de que o retorno é postivo. Quiça, isso inspire aos futuro apoiadores e patrocinadores do evento.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Videos da Ocupacao Cultural - 13 de fevereiro

Acabei esquecendo: a edição da "Ocupação Cultural" está disponível em vídeos. os links no Youtube são estes:

Ocupação Cultural parte 01: http://www.youtube.com/watch?v=HNx3Tc6g7rY

Ocupação Cultural parte 02: http://www.youtube.com/watch?v=geF-E21TmUE

Ocupação Cultural parte 03: http://www.youtube.com/watch?v=xiSbtuxAkms

Segunda Ocupacao Cultural - fotos 27022009

Fotos da segunda edição
da "Ocupação Cutural"
27 de fevereiro de 2009
(Eu com Adriano Pereira, o "sapinho surdo")

(proveitando a noite para ouvir e declamar poemas)
(Grupo de dança. coreografia baseado no mundo do circo. Belíssimo!)


Sucesso! A segunda edição da "Ocupação Cultural" que aconteceu no Centro de Cultura Olívia Barradas (Valença - Bahia) no dia 27 de fevereiro de 2009 foi um sucesso, consolidando o evento na cidade. Apresentação de dança, vídeos, perfomances teatrais, música ao vivo, declamação e leitura de de textos literários. Presença e partipação de Ricardo Vidal, Adriano, Otávio Mota, Juliano Brito, J. Pincel, Ruggero Franco, Araken Vaz Galvão e muitos outros. Agora é esperar o próximo. Sexta-feira, 13 de março...

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)