Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Radio Atividade Livre


Rádio Atividade Livre

Valença, 29 de agosto de 2012 (à noite, na sede da MaCRo)


Rádio ondas livres.
Rádio ondas surreais.
Rádio ondas sonetos.
Rádio ondas verdes.
Rádio ondas tropi-hai-kais.
Rádio doce que não se cala,
Rádio que te quero sonho.
Rádio escarlate, mundial,
Rádio atividade constante.
Rádio ativa, solidária,
No deserto, rádio trovejante.
Rádio estrela, rádio galáxia,
Horizonte novo que amanhece.
Rádio sorriso de menino.
Rádio coração de estudante.
Rádio Soberana, popular,
Rádio do trabalho e do lar.
Rádio Maria’s e das cores,
Rádio primavera e das flores.
Rádio absyntho, fada verde,
Rádio racional, Ocidente, fractal!
Rádio Oriente, esotérica, transcendente.
Rádio una rio mar oceano,
Rádio de tantos planos.
Rádio rio corrente,
Una, elo, Rádio semente,
Rádio que quero ouvir sempre!

domingo, 23 de setembro de 2012

Requiem para MaCRo


Uma pessoa pinta uma flor de lótus na parede. Outra pessoa ensaia uns últimos passos de dança num palco que já não mais existe. Alguém escreve algo no seu computador, a espera de um sarau silencioso. Um casal fica nas cadeiras da platéia, olhando com nostalgia para uma sombra perdida no passado. Zeca Baleiro roda triste no aparelho de som, cantando um salmo serenamente angustiado de despedida, para um sonho que termina nesta noite do dia 19 de setembro de 2012. Neste momento de catarse, jovens e artistas vivenciam o fechamento melancólico da Casa de Cultura Maria Claudia Rodrigues (MaCRo).

Fundada em 15 de setembro de 2011, como homenagem a atriz e guerrilheira cultural Maria Claudia Rodrigues, a MaCRo funcionava na residência da homenageada. Neste um ano de atividade interrupta, a Casa de Cultura Maria Cláudia Rodrigues (filha natural da Ocupação Cultural) marcou a vida cultural da cidade. Realizou o "T3atro ATrois": experiência revolucionaria em que três espetáculos teatrais eram realizados simultaneamente: “Há vagas para rapazes de fino trato”, “Bororó” e “A Órfã do Rei”. Mais tarde, a peça "A Órfã do Rei" participou de um festival de teatro em Luanda (Angola) – ou seja, levando o nome da cultura valenciana para o mundo. Somando-se a isso, a MaCRo abrigou um curso de cinema ministrado por Araken Vaz Galvão, o Ritual da Lua Cheia (festejo new age realizada durante o plenilúnio); Uma oficina de máscara; um Curso de violão com Matheus Magyver e David Terra; Vernissage e Exposição das obras de Otávio Mota e Juliano Brito; O Cine Clube (em parceria com a UNEB) e uma edição do projeto "Por do Sol Unebiano" sobre literatura feminina. Além disso, em marco de 2012, abrigou o grupo argentino "Só Alegria". Em um ano rico, Valença viveu um clima raro de efervescência.

Valença tinha lá o seu espaço de experimentação, criação e existência artística. Era o espaço alternativo, onde as pessoas podiam livremente debater idéias e estéticas, sem preconceitos ou julgamento. Era o espaço underground da dialética e do pluralismo que nunca Valença tivera. Independente do credo religioso, político, estético ou filosófico, a MaCRo funcionava como uma trincheira cultural, um foco de alegria critica e que servia de contraponto ao status quo ideológico que impera em Valença. Local por excelência do debate sadio, era lá que os artistas jovens e jovens arteiros expressavam livremente seus pensamentos, sem medo nem censura (que, infelizmente espectro este ronda nossa cidade nestes últimos dias). Literatura, música, grafitti, teatro, filosofia, política, teologia ou apenas humor, tudo era falado, tudo era ouvido, tudo era sentido sem culpa e sem magoas.

Contudo, a MaCro fechou suas portas. Entrou em um estado de dormência, hiberna na espera de uma outra estação. Por quê? Falta de publico? Falta de dinheiro? Falta de clima propicio para um experimento como esse? Prefiro dizer que se fechou um ciclo. Em algum momento era preciso parar e colocar em ordem tantas as experiências e aprendizado. A Casa de Cultura Maria Claudia Rodrigues fecha as portas para entrar para a historia cultural de Valença. Mas os sonhos que a MaCRo representou continuam, esta certeza de que arte - ou melhor, a cultura - é um lugar de resistência e alegria, como uma melodia eterna perdida na brisa... Evoé, MaCRo, Evoé!

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)