Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

terça-feira, 31 de março de 2015

Aboio

Aboio

Baía de Todos os Santos (FB Ana Nery); 16 de julho de 2012

Eira boi! Vou trazendo minha boiada!
E pelo aboio dos meus versos
Vou conduzindo o rebanho pela estrada! Ooiiá!

É o aboio dos meus cantos
Que pelos estranhos encantos
Ou pelos danosos desencantos
Vou cantando para meu rebanho,
Que segue essas verdes veredas,
Atento para não perder a poesia
Que rege encantando os meus dias. Ooiiá!

Na verônica de outros vates,
Aprendi a fazer minhas canções
E colhendo versos nos chapadões,
Ouvindo dos vaqueiros ancestrais
Os aboios e toadas primordiais
Para levar longe a minha manada! Ooiiá!

Lágrimas e mandacarus
Caminham como fantasmas;
E cavalos de fogos cruzam
A senda de minhas palavras,
Para fazer este meu aboio!
Desse meu sertão sem fim,
Desse mundo sem porteira,
Caminho dentre canções,
Para na cidade trigueira,
Que na beira do mar verdeja,
Para então tocar minha viola,
Minha vida e minhas mágoas. Ooiiá!

Eira boi! Vou trazendo minha boiada!
E pelo aboio dos meus versos
Vou conduzindo o rebanho pela estrada! Ooiiá!

domingo, 29 de março de 2015

Soneto para Elly

Soneto para Elly
(para Elieci Pereira)

Valença; 29 de março de 2015 (18h56)

Em meio às flores e às borboletas do jardim,
Ouvindo as sinfonias de sabiás e bem-te-vis,
Sentindo a brisa marota realizar traquinagens
Enquanto atravessa suavemente as folhagens;

Vendo gnomos ignotos vigiarem secretamente
Os ensaios que os pirilampos de fogo e trovão
Realizam para as fadas faceiras e elfos fogosos
Enquanto o orvalho amadurece nos carvalhos;

Vejo que tu és a rainha de copas que seduz,
És o arcanjo meigo de anelos de puro ouro
Que faz dos logaritmos uma sonata de luz.

És o farol cândido dentre minhas dúvidas,
Matematicamente encontrando a justa razão
Trigonométrica da equação de meu coração.
P:.

Olhos de Marmore

Olhos de Mármore

Salvador; 28 de julho de 1996

Sobre as tristezas da selva de concreto, 
Meus olhos inundavam-se em rios. 
Meu tamborim pulsa choroso no peito 
Ao som de um coração metálico distante
d D
i   I
s    S
t      T
a       A
n         N
t            T
e             E
Eu, estrangeiro em uma terra estrangeira, 
Afogo-me na solidão das multidões 
Sem o fogo de teu olhar de ressaca. 
Procuro dentre beijos secos e duros 
E na solidão lunar um farol onde aportar. 
Quero teu farol, nele encontra meu descanso. 
Preciso deste bálsamo para curar a solidão 
Que me devora (embora, ASSIM não quisera) 
Implacável, como uma indomável quimera.

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)