Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

domingo, 6 de novembro de 2011

Os fabliaux de H Hilst



Os fabliaux de H. Hilst: Análise de alguns poemas do livro “Bufólicas”

Bufólicas, de Hilda Hilst, é uma coletânea de sete poemas narrativos em versos brancos e livres (com predomínio de redondilhas). Foi lançada em 1992 como uma reunião de poesias satíricas (a integrar o conjunto de livros "obscenos" que marcaram a produção literária de Hilda Hilst) que retomam o universo dos contos de fadas, para recontá-las dentro de uma perspectiva erótico-cômica. E tais quais as fábulas, os textos encerram com uma “moral” resultante e irônica.
O próprio título do livro Hilda Hilst indica o caráter em que se deve ler a obra: Bufólicas forma-se como um trocadilho com as palavras Bucólica e Bufo. Ou seja, já no início da leitura, nas quatro primeiras letras do título, está indicado para onde a autora quer levar: o lado do riso, do grotesco, da ironia. É como se um bufão entrasse no reino dos contos de fadas para perverter estas narrativas, virar pelo avesso a inocência infantil das histórias para instalar o carnaval dos sentidos, trazendo o que há de mais profano dentro dele. E na complementação do título, a autora já começa pregando uma peça do leitor: embora a palavra “bucólica” remeta a idéia de ambiente rural, ela não indicará um caminho da simplicidade e leveza que esta palavra “bucólica” geralmente é associada. Antes, ela remete aos fabliaux[1] do medievo francês, as narrativas curtas em versos octossílabos em que os vilões (moradores de vilas) são retratados comicamente em uma linguagem normalmente obscena, desnudando a estultice e a inocência destes vilões. Este clima de brincadeira maliciosa e ferina é reforçado com a epígrafe, o adágio latino Ridendo castigat mores.
Numa primeira leitura, “inocente”, poderia se depreender que Hilda Hilst voltou sua carga aos contos de fadas. Dois dos poemas narrativos são calcados em histórias clássicas: “A Chapéu”, cujos personagens da trama são paródias de “Chapeuzinho vermelho”, e “A cantora gritante”, em que são feitas referências às histórias da “A cigarra e a formiga”, de “Branca de Neve” e ao mito de Orfeu. Nos demais poemas os personagens se remetem a tipos universais destas histórias: a fada bondosa, a maga/bruxa má, o anão grotesco, o reizinho e a rainha, etc. Contudo, Hilda Hilst lhes atribui características e/ou situações de sexualidade grotesca, desviante, perversa – sensualidade vulgar que acaba provocando risos, bem ao gosto da tradição das fabliaux. Como lembra Alcir Pécora, no prefácio a segunda edição do livro, “As personagens são as de sempre, no gênero (…). O que muda é que todas são portadoras de anomalias nas genitálias e praticantes de grau diversos de bizarrias[2]”. Destes poemas, dois terão análise mais acurada neste trabalho: “A Cantora Gritante” e “A Chapéu”.
Em “A Cantora Gritante”, Hilda Hilst monta a narração amalgamando elementos de outras histórias cujo tema é a inveja. A protagonista da história chama-se Garganta Alva e destacava-se pela sua voz afinada e imaculada (presumidamente de soprano): “cantava tão bem / subiam-lhe as oitavas / tantas tão claras / na garganta alva[3]”. Tal era o encanto da voz da protagonista que provocava inveja nas mulheres da vizinhança, na medida em que deixavam seus maridos muitos excitados sexualmente todas as noites. Para tanto, elas resolvem calar a rival, maculando sua garganta com o “nabo” do jumento Fodão.
De Garganta Alva, Hilda Hilst apenas descreve sua voz, sempre usando palavras do campo semântico da Brancura: alva, clara. Esta escolha remeteria a figura da Branca de Neve dos irmãos Grimm. Também, pelo exercício da arte de cantar, se faz semelhante tanto a Cigarra das fábulas de Esopo e La Fontaine como ao herói grego Orfeu. Em contraposição, as mulheres das vizinhanças, que são descritas pela sua feiúra física: são mulheres “gordas consortes (…) curvadas, claudicantes / de xerecas inchadas[4]”. Deduz que estas mulheres seriam donas-de-casa, árduas formiguinhas em seus afazeres domésticos.
A ligação com a história da Branca de Neve também se verifica por ambas serem invejadas pelo seu encanto natural. Porém, a protagonista de “A cantora gritante” não gozará da mesma sorte da princesa do conto de fada. Tão pouco terá o desprezo da Cigarra, esfomeada durante o inverno. Será trágico (ou o quanto se pode ser trágico numa ópera-bufólica) como Orfeu, com o silenciamento forçado.
Brancura (imaculada?) inicialmente usada na descrição da protagonista ser contraposta por Hilda Hilst através da ambientação do clímax da história com palavras do campo semântico oposto: “certa noite… de muita escuridão / De lua negra e chuvas[5]”. E será perto do toco negro que a ação do “silenciamento forçado” da protagonista ocorre – Garganta Alva terá sua garganta estuprada (e maculada) pelo “nabo” de um jumento chamado Fodão.
Novamente Hilda Hilst brinca com as palavras e passa uma rasteira no leitor desatento: O jumento possui o nome do aumentativo. Deduz então que sua anatomia animalesca será proporcional ao seu nome, ou antes, desproporcional à sua vítima. Também se deduz que a Garganta Alva não é versada nas artes profundas da atriz Linda Lovelace…
Esta cena de bestialismo que encerra a narração também não deixa de mostra o jogo irônico utilizado pela autora. Se, através do mito de Orfeu, a música foi consagrada como meio para domar e acalmar bestas-fera (como Orfeu fez com as sereias e a Cérbero[6]), aqui, não só a música foi o ponto de partida da discórdia como fez que as mulheres da vizinhança mostraram-se mais cruéis, quase como foram, ao dilacerar Orfeu, as bacantes.
Na história “A Chapéu”, Hilda Hilst promove uma inversão dos pólos: se nas tramas originais de Perrault e dos Irmãos Grimm, o Lobo é um predador ativo e malicioso, masculino, que se opõem a dupla Vovó / Chapeuzinho Vermelho, presas passivas e inocentes, femininas; na recriação de Hilda Hilst, Lobão é explorado pela Avó Leocádia e sua neta Chapéu.
Se nos contos originais, a avó é desprovida de nome e comporta-se como uma personagem secundária, na narrativa de Hilst ela quem domina a situação. Sua posição já se encontra no nome: Leocádia. Leo, a Leoa, a líder, a rainha soberana em torno da qual gravitam as demais personagens. Apesar de não nomear a história, é ela quem primeiro aparece poema: “Leocádia era sábia”. Está sabedoria é que a fará explorar Lobão, tanto financeiramente (agindo como proxeneta, como se pode depreender na reclamação “Pois da última vez / Lobão deu pra três / E eu não recebi o meu quinhão![7]”) como sexualmente (como deixa subentendido ao final do poema, quando ela responde: “Às vezes te miro / E sinto que tens um nabo / Perfeito para meu buraco[8]”).
Já a neta de Leocádia é conhecida pelo seu apelido, Chapéu (sem o característico diminutivo e a cor vermelha). Se também não teria uma inocência infantil, como se observa nos versos “De vermelho só tinha a gruta / E um certo mel na língua suja[9]”, ela fica surpresa quando descobri o caso da avó com o personagem masculino, como se lê nos versos “AAAAII! Grita Chapéu / Enganaram-me! Vó Leocádia / E Lobão / Fornicam desde sempre / Atrás do meu fogão[10]”.
Em oposição ao par Chapéu/Leocádia, o personagem do lobo perde seu epíteto de mau e é chamado apenas de Lobão, estabelecendo uma ironia entre um nome do aumentativo e uma posição bem diminuta dentro do poema narrativo. Sem entrar na cena, é descrita pela Vó Leocádia como “uma bichona peluda” que serve de ganha-pão da dupla[11], que vai ser reforçada na reclamação já citada. Sua aparição mais “concreta” na ocorrerá na segunda metade do poema. Em contraste com o vocabulário chulo das duas personagens femininas, ele mostra uma linguagem mais afetada e um vocabulário quase parnasiano[12]. Ele claramente é posto como presa ante as duas, pelo comentário dele, presente nos versos “E por que tens, ó velha / Os dentes agrandados / Pareces de mim um arremedo!”, invertendo a ordem do diálogo clássico do conto de fadas.
Alcir Pécora, na introdução do livro, definiu o livro Bufólicas como “um exercício de estilo[13]”. Hilda Hilst exercita e atualiza o estilo das paródias fesceninas, do realismo mágico dos contos de fadas e das fabliaux, extraindo da (considerada) ‘baixa matéria-prima’ do erotismo já fronteiriço com a pornografia, pequenas pérolas de literatura e humor.


.
Referências
ANÔNIMO. Pequenas fábulas medievais. Fabliaux dos séculos XIII e XIV. Estabelecimento do texto, tradução para o francês moderno e seleção de Nora Scott. Tradução para o português de Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 1995. (Coleção Gandhära).
BULFINCH, Thomas. Mitologia geral. A idade da fábula. Tradução de Raul L.R. Moreira e Magda Veloso. Belo Horizonte: Itatiaia, 1962. (Coleção Descoberta do mundo, vol. 21).
COMMELIN, Pierre. Mitologia grega e romana. 2. ed. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Coleção Clássicos).
ESOPO. A Cigarra e as Formigas. In ESOPO. Fábulas. Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo: Martins Claret, 2005. (Coleção A obra-prima de cada autor, vol. 182).
GRIM, Jacob e GRIM, Wilhelm. Branca de Neve. In GRIM, Jacob e GRIM, Wilhelm. Contos de grimm vol 1. A Bela Adormecida e outras história. Tradução de Zaida Maldonado. Porto Alegre: L&PM, 2010. (Coleção L&PM Pocket, vol. 256)
GRIM, Jacob e GRIM, Wilhelm. Branca de Neve. In Contos de Fadas: de Perrault, Grimm, Andersen & outros. Apresentação de Ana Maria Machado. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
HAMILTON, Edith. Mitologia. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
HILST, Hilda. Bufólicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2009. (Coleção Obras Reunidas de Hilda Hilst).
LA FONTAINE. A Cigarra e a Formiga. In LA FONTAINE. Fábulas. Vários tradutores. 3. ed. São Paulo: Martins Claret, 2008. (Coleção A obra-prima de cada autor, vol. 200).
MÉNARD, René. Mitologia greco-romana. Tradução de Aldo Della Nina. São Paulo: Opus, 1991. 3 V.
PERRAULT, Charles. Branca de Neve. In Contos de Fadas: de Perrault, Grimm, Andersen & outros. Apresentação de Ana Maria Machado. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
WILKINSON, Philip. Myths & legends. An illustrated guide to their origins and meanings. Londres / Nova York / Munique / Melbourne / Delhi: Dorling Kindersley, 2009.


[1] Fabliau (plural fabliaux) são pequenos poemas narrativos com versos de fundo cômico ou galante. Floresceu na França Medieval, entre os séculos XIII e XIV.
[2] PÉCORA, Alcir. Nota do organizador. IN HILST, Hilda. Bufólicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2009. (Coleção Obras Reunidas de Hilda Hilst). p. 8
[3] HILST, Hilda. A Cantora Gritante. IN HILST, Hilda. Bufólicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2009. (Coleção Obras Reunidas de Hilda Hilst). p. 29
[4] Idem, ibidem.
[5] Idem, p. 30
[6] Conforme relatam Pierre COMMELIN, Edith HAMILTON, Philip WILKINSON, Thomas BULFINCH e René MENARD em seus livros sobre mitologia clássica.
[7] HILST, Hilda. A Chapéu. IN HILST, Hilda. Bufólicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2009. (Coleção Obras Reunidas de Hilda Hilst). p. 23
[8] Idem. p. 24
[9] Idem. p. 23
[10] Idem. p. 24
[11] Idem. p. 23
[12] Ver a Introdução de Alcir PÉCORA da 2ª edição do livro Bufólicas, p. 9
[13] PÉCORA, Alcir. Nota do organizador. IN HILST, Hilda. Bufólicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2009. (Coleção Obras Reunidas de Hilda Hilst). p. 8

Nenhum comentário:

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)