Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sexta Feira 13 - tentativa de microconto

Olhou para o calendário no canto de computador: Sexta-feira, 13 de janeiro. "O ano começou bem", pensou ele com os botões. Ele não era supersticioso, mas, (como bom baiano descendente de espanhol, um cético que respeitava os mistérios do mundo), prometeu evitar cruzar gato preto e andar por debaixo de escadas naquele dia. No Orkut, plantou bastante guiné e espada-de-são-jorge no jogo "Colheita Feliz". Bateu na madeira virtual do Facebook. Ficou mudo no Hotmail, no MSN Messenger e no ICQ, a fim de evitar mal-entendidos. Para isso, tinha uma boa desculpa: estava escrevendo uma palestra e, portanto, precisava de silêncio. E assim o dia foi morrendo modorrento por detrás dos prédios. Ao ver que nada de azarado poderia ocorrer naquele dia (e por que ocorreria?), nosso personagem anônimo foi trabalhar no seu blogue. Postava o texto na palestra no blogue quando um estourou ouvido lá fora antecedeu o momento  da tela do computador escurecer de vez: uma sobrecarga no transformador o fez perder todo o texto, que, ironicamente, ele havia se esquecido de salvar...

Salvador, sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

2 comentários:

Ana Carolina disse...

Devia ter se arriscado mais! Se tivesse na rua passeando nada ruim poderia ter acontecido. Mas, eu adorei o texto, me acabei de rir.

Carlos Sousa disse...

Uma tentativa de microconto bem sucedida. Porém de um personagem que não se sucedeu ao tentar se livrar dos supersticiosos eventos da sexta-feira 13...

O sutil toque de humor fez a leitura fluir bem mais proveitosa =3

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)