Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Réquiem para Lídice & My Lai

Réquiem para Lídice & My Lai

Salvador; 13 de janeiro de 2008 (20h23)

I – Lídice

Há quem chore pelos submersos do Arizona.
Eu choro por Lídice.
Choro por ti, que foste martirizada pela Liberdade.
Tu, que foste apagada da vida,
Que teus frutos foram dispersos,
Que teu futuro foi chacinado covardemente,
Que foste transformada em pó
Pela fúria sanguinária, sem perdão nem razão,
Por alguém que se julgava Deus.
Tu, cujo cadáver foi exposto profanamente como exemplo,
É por ti que eu choro.
Mas tu não foste esquecida!
De tuas cinzas e de teus trapos
O homem fez uma bandeira.
De tuas sombras o homem construiu faróis
E tu, minha Lídice, renasceste
Como Campo Santo, como campo de memória
Onde todos poderiam dizer: Barbárie nunca mais!

II – My Lai

Há quem chore pelas Torres Gêmeas.
Eu choro por My Lai.
Todos viram as torres voltando ao pó,
Todos viram a fumaça maculando a cidade,
Todos viram a inocência ser consumida pelo fogo,
Mas quem viu ou chorou por My Lai?
As árvores perderam os frutos,
As flores foram cortadas por baionetas,
No meio da selva tropical,
Apenas os abutres souberam da colheita humana,
Colheita insana de uma guerra sem razão.
Quem chorou pelos frutos da colheita de My Lai?
Só um anjo, curioso anjo vingador, freou a insensatez,
Sensibilizado pela colheita macabra
Que se fez naqueles arrozais na Indochina…
Muito choraram pelas Gêmeas, mas quem chorou por My Lai?
Mas que fez a messe em My Lai?
Ah, minha amiga História, tu és a Nêmesis implacável!
O mesmo ceifador de My Lai chorou pelas Gêmeas.
A mesma mão que fez o mal provou o amargo fruto,
Que surgiu na colheita de My Lai…
Será que agora o ceifador irá chorar por My Lai?

Nenhum comentário:

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)