Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Delta do Okavango



Delta do Okavango



Salvador; 11 de junho de 2008 (22h16)



“Where all this water goes is a mystery"
Aurel Schultz




I



Um mar arenoso a recepcionar as águas do Okavango.
Depois de correr seu leito pelas florestas negras,
Uma boca seca engole seu fluxo… e desaparece.
Que mistério faz de ti, Delta do Okavango,
Um lugar especial e único no planeta Terra?
Talvez porque suas águas nunca encontrem outras,
Talvez a Natureza queira ser irônica e divertida,
Talvez porque seja uma metáfora da condição humana.
Mas quem imaginaria uma foz dentro do deserto?
O meu Rio Una deságua em estuário no Atlântico.
O Nilo termina em delta para a alegria dos egípcios.
O Amazonas segue floresta abaixo para encontrar com Marajó.
Só você, Okavango, despeja suas água no Kalahari,
Molhando suas dunas sedentas com um pouco de vida.
E é nestas margens que leões nadam famintos,
A sagrada Íbis projeta a sombra de Toth,
E Leopardos e Guepardos correm ferozes e altivos.



II



Okavango sugere mistério e um outro paraíso.
Ninguém imaginaria o Okavango como um lugar
Onde Lauren Bernat dançasse Wii fit no You Tube,
Ou que Paris Hilton filmaria suas fantasias.
O delta do Okavango sugere mais a cratera Eberwalde.
Ou as ruínas de Cydonia ou o amanhecer em Gliese 851c.
É uma Shangri-lá, uma Xanadu, uma Agartha pessoal
Onde se leria a Rubaiyat sob a luz da lua cheia,
Ou deixaria o vento brincar com as linhas da face.
E inventaria uma lenda para suas águas e suas margens:
Diria do grande crocodilo que se esconde na areia
Que impedem suas ninfas abraçaram outras irmãs.
Ou de uma lança mágica guardada por rinocerontes
Negros e Brancos, destinados aos grandes guerreiros.



III



Mas o Delta do Okavango está numa África distante
E eu sou apenas um poeta latino-americano.
O que eu sei da fauna do Delta para criar lendas?
Apenas o nome africano faz cócegas nos ouvidos
E deixo a imaginação procurar metáfora e sinédoque.
As telas da Grande Teia trazem fotos e ilusões de lá,
Uma janela mítica para um mundo vazio.
As águas do Okavango caminham tranqüilas
Sem a música dos meus versos sonolentos.
E com essa a verdade que resume o poema
Que os versos encontram sua foz enigmática
No deserto branco do pergaminho eletrônico…

Nenhum comentário:

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)