Sua Majestade, O Bardo

Minha foto
Valença, Bahia, Brazil
Escritor e Professor de Literaturas Anglófonas. Autor do livro "Estrelas no Lago" (Salvador: Cia Valença Editorial, 2004) e coautor de "4 Ases e 1 Coringa" (Valença: Prisma, 2014). Licenciado em Letras/Inglês pela UNEB-Campus Salvador. Falando de mim em outra forma: "Aspetti, signorina, le diro con due parole chi son, Chi son, e che faccio, come vivo, vuole? Chi son? chi son? son un poeta. Che cosa faccio? scrivo. e come vivo? vivo."

sábado, 28 de junho de 2008

Fragmentos de um diário - São João em Valença

Não me lembro quando eu passei um feriado longo em minha cidade natal, Valença-Bahia. Em todo caso, estes sete dias na minha querida cidade serviram para acalmar a mente, colocar as idéias no lugar e (principalmente) recarregar minhas baterias.

O lado positivo foi ver a chegada da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida em Valença e rever amigos como Ricardo Lemos (em breve veremos o seu blog no ar, Lemos & Relemos), Martiniano Costa, Flor (Chefe da DIREC 05), Adrianovisky "Pequeno Príncipe" Pereira e Elisabete P. Barbosa - a musa dos meus últimos poemas que foram publicados no Valença Agora. Também aproveitei para adiantar minha monografia sobre erotismo na literatura feminina contemporânea.

O lado triste foi o falecimento do esposo de minha ex-professora Rosângela Goes, bem na festa do São João. Digamos que isso deixou o vento um pouco mais frio e silencioso na hora da fogueria.

Já uma coisa que me deixou chateado (para não dizer furioso), foi saber que um certo médico em Valença está querendo ser candidato pela força. Não sei se ele confundiu democracia com ditadura, ou acha que pode ser eleito "Tirano Municipal". Diabos! Agora entendo porque em Jaguaquara ele é persona no grata... Deixe está que dia 29, creio que a justiça será feita e ele verá que não se pode ser candidato pela força - principalmente onde ninguém o quer.

Por conta deste último fato que sinto vontade em me envolver mais na política de minha cidade. Não posso ficar tranqüilo e quieto quando um "aventureiro" tenta atrapalhar a vitória de uma linha política moderna, popular, democrática e socialista; que possa dar cor, garra e novidade para a gestão pública em Valença. Aliás, a "descoberta" da figura do Dr. Fábio Luz, escritor e anarquista valenciano, e o artigo que professora Rosângela Goés escreveu sobre a eleição deste ano inspira a lembrar do papel social do escritor...

Pois é isso aí. Baterias recarrregadas, ano de formatura e eleição municipal, não posso me dar ao luxo de ficar apenas numa torre de marfim. É hora de agir e tomar partido. Claro, partido do melhor lado, o mais ético, mais justo e mais bem preparado. Para ser escritor, não basta apenas ter talento e vontade. É preciso saber brigar pelo o que é certo.

Nenhum comentário:

Biblioteca do Bardo Celta (Leituras recomendadas)

  • Revista Iararana
  • Valenciando (antologia)
  • Valença: dos primódios a contemporaneidade (Edgard Oliveira)
  • A Sombra da Guerra (Augusto César Moutinho)
  • Coração na Boca (Rosângela Góes de Queiroz Figueiredo)
  • Pelo Amor... Pela Vida! (Mustafá Rosemberg de Souza)
  • Veredas do Amor (Ângelo Paraíso Martins)
  • Tinharé (Oscar Pinheiro)
  • Da Natureza e Limites do Poder Moderador (Conselheiro Zacarias de Gois e Vasconcelos)
  • Outras Moradas (Antologia)
  • Lunaris (Carlos Ribeiro)
  • Códigos do Silêncio (José Inácio V. de Melo)
  • Decifração de Abismos (José Inácio V. de Melo)
  • Microafetos (Wladimir Cazé)
  • Textorama (Patrick Brock)
  • Cantar de Mio Cid (Anônimo)
  • Fausto (Goëthe)
  • Sofrimentos do Jovem Werther (Goëthe)
  • Bhagavad Gita (Anônimo)
  • Mensagem (Fernando Pessoa)
  • Noite na Taverna/Macário (Álvares de Azevedo)
  • A Casa do Incesto (Anaïs Nin)
  • Delta de Vênus (Anaïs Nin)
  • Uma Espiã na Casa do Amor (Anaïs Nin)
  • Henry & June (Anaïs Nin)
  • Fire (Anaïs Nin)
  • Rubáiyát (Omar Khayyam)
  • 20.000 Léguas Submarinas (Jules Verne)
  • A Volta ao Mundo em 80 Dias (Jules Verne)
  • Manifesto Comunista (Marx & Engels)
  • Assim Falou Zaratustra (Nietzsche)
  • O Anticristo (Nietzsche)